Há 50 anos, a NASA estava realizando a primeira missão de lançar os seus astronautas à Lua, lugar onde a pressão e a gravidade não existem.

Assim como ela, estamos vivenciando um momento muito especial: a Certisimples está sendo preparada para ter a mesma sensação de ter chegado ao ápice, não sentindo mais a pressão, podendo experimentar o sentimento de estar realizada.

Se pensarmos no ano de 1969, quando a Apollo 11 foi enviada à Lua, os norte-americanos não tinham computadores como os nossos de hoje, nem smartphones ou uma tecnologia tão avançada a ponto de otimizar as atividades como nos tempos atuais. Mesmo assim, eles chegaram no seu objetivo da forma que planejaram!

O nosso foguete, a empresa, está em plena construção. A equipe está preparada para cuidar de cada detalhe, os motores são verificados diariamente e o nosso combustível é uma mistura de mídias sociais, equipe de vendas, e-commerce, site, entre outros fatores essenciais para uma missão bem-sucedida.

Esse combustível está em constante análise e ajuste para que nenhum problema passe para as próximas fases. Afinal, é na etapa do planejamento que tudo começa a ganhar vida e o êxito da chegada à órbita lunar depende diretamente do sucesso desse início.

Qualquer peça fora do lugar ou mal ajustada pode acabar resultando na explosão, na desintegração ou na mudança de rota do foguete que será lançado.

O lançamento em si é um grande momento de apreensão, quando a equipe fica com o frio na barriga e verifica tudo várias e várias vezes a fim de se certificar de que todas as coisas estão em ordem enquanto espera ansiosamente para saber se o seu trabalho duro deu certo no final.

A grande descoberta é que o final não é de fato o fim, mas o início. É a partir do término da contagem regressiva que o foguete começa a sua jornada para entrar na imensidão e junto com ela surge um universo de possibilidades.

É claro que essas novas perspectivas permitem escolhas que podem aumentar efetivamente o risco e isso só mostra que o caminho até o ponto de “pressão zero” não é fácil.

A boa notícia é que aqueles que já chegaram ao ápice revelaram o segredo para o sucesso: focar no objetivo, curtir a paisagem, apreciar cada momento e aproveitar cada detalhe ao mesmo tempo em que se mantém os olhos no controle e nos indicadores.

Chegará um momento em que as pressões estarão reduzidas e é nesse ponto que muita gente comete o erro de presumir que pode relaxar e deixar de prestar atenção ao seu redor.

Mas o mercado tem sempre novos desafios. É justamente nessa hora que se deve intensificar o foco e iniciar os procedimentos para finalmente entrar na órbita lunar e sentir a pressão zero!

Apenas os grandes estão nessa órbita, mas procuram viver como se não estivessem para que não corram o risco de serem jogados para fora.

Na órbita lunar – esse ápice tão almejado por todos – os custos fixos não causam preocupação e a curva de equilíbrio muito menos. Lá, qualquer impulso mínimo pode te lançar para rotas novas e repletas de oportunidades.

Aqueles que estão nesse lugar entendem que a experiência de ter percorrido este caminho os torna diferenciados e reconhecidos pelos que almejam experimentar a gravidade zero.

As empresas que chegam à órbita lunar também não sentem mais a pressão para a queda, mas sabem que os seus erros têm potencial para os levar de volta à dura realidade da pressão terrestre.

Por isso, o trabalho e a constante atualização e reparo do foguete nunca acabam, não importa em que estágio da jornada você estiver. A órbita facilita as coisas, mas a persistência e a atenção aos detalhes devem ser mantidas.

Escrito por: Sidiney Costa – Diretor da Certisimples